São duas as modalidades de Registro Profissional de Pessoa Física:

Registro Definitivo: mediante a apresentação do Diploma de Graduação no Curso de Comunicação Social, Habilitação em Relações Públicas e documentação exigida.

Registro Provisório: mediante a apresentação do Certificado de Conclusão de Curso de Comunicação Social, Habilitação em Relações Públicas e Colação de Grau. O Registro Provisório é válido por um ano, com renovação de mais 1 ano, e deve ser transformado em Registro Definitivo assim que o Diploma for entregue pela faculdade e enviado ao Conrerp.

Para solicitar o seu registro, siga os passos abaixo.


DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA

– Cópia AUTENTICADA do Diploma (frente e verso) ou do Certificado de Conclusão de  Curso (frente e verso);
– Cópia AUTENTICADA da Carteira de Identidade e do CPF;
– Cópia simples do Título de Eleitor;
– Cópia simples do comprovante de residência;
– 2 (duas) fotos 3×4;
– Comprovante do pagamento das taxas e anuidade; e
– documentos abaixo.

Os documentos abaixo deverão ser impressos e entregues juntamente com a documentação acima. Os documentos estão disponíveis para download no final da página.

Requerimento para Registro Definitivo: você deverá imprimir, preencher, assinar e enviar junto com a documentação.
Requerimento para Registro Provisório:  você deverá imprimir, preencher, assinar e enviar junto com a documentação.
Declaração: você deverá imprimir, preencher, assinar e enviar junto com a documentação.
Outras Declarações: você deverá imprimir e anexar

OBS: Ao fim do período de um ano, o profissional que tiver REGISTRO PROVISÓRIO deverá apresentar, para transferir seu registro para definitivo, o requerimento de transferência de Registro Provisório para Definitivo, acompanhado de cópia autenticada do Diploma, de uma foto 3×4, pagamento da taxa de 2.ª via de carteira e pagamento da anuidade. A não apresentação da documentação dentro do prazo de validade implica em suspensão automática do registro provisório.


PAGAMENTO DE TAXAS

1. Taxa de Registro: R$ 90,00
2. Taxa de Carteira: R$ 75,00

OBS: esses valores são iguais, tanto para registro Definitivo quando para o Provisório.

Formas de pagamento das taxas

O pagamento das taxas deverá ser feito via depósito bancário:

OBS.: Para obter o número da conta, é necessário entrar em contato com o Conrerp 5ª pelo e-mail: conrerp5@conrerp5.org.br ou pelo telefone: 81 3221.0331, no horário das 13:00 às 18:00 horas.

IMPORTANTE! O comprovante de depósito das taxas deverá ser enviado junto com a documentação.


ANUIDADES 2015

Definitivo – a Anuidade é de R$ 380,00
– 10% de desconto para pagamentos efetuados até 31 de janeiro;
– 5% de desconto para pagamentos efetuados até 28 de fevereiro;
– parcelamento em até 5x com vencimentos até mês de maio.
– para novos registros, proporcional ao mês de Registro (sem parcelamento).

Provisório – a Anuidade é de R$ 190,00.
– pagamento sem desconto;
– parcelamento em até 5x com vencimentos até mês de maio.
– para novos registros, proporcional ao mês de Registro (sem parcelamento).

OBS: A anuidade proporcional é calculada a cada mês, tomando por base a anuidade integral que é determinada através de tabela do Conferp.

Formas de pagamento da anuidade

– Por boleto bancário a ser enviado por e-mail ou correio.

OBS: A anuidade deve ser paga por todos os profissionais registrados, no primeiro trimestre de cada ano. O não pagamento dentro dos prazos estabelecidos acarretará a cobrança de tais valores, por meio de PTA – Processo Tributário Administrativo, podendo o registrado, caso não efetue o pagamento, ser inscrito na Dívida Ativa da União, com o posterior ajuizamento da ação de execução fiscal, nos termos da legislação vigente.

IMPORTANTE! O pagamento da anuidade é realizado somente após a aprovação do Registro em Reunião Plenária.


ENVIO DOS DOCUMENTOS

A documentação e os comprovantes de pagamento devem ser entregues pessoalmente ou enviados para o endereço do CONRERP 5ª região, conforme consta abaixo:

CONRERP 5ª Região
Rua Joaquim Nabuco, 409 – sala 21 – Derby
Recife – PE
CEP 52011-000


ANÁLISE DOS DOCUMENTOS

Se a documentação estiver completa, o processo será submetido à análise de um Relator, dos Conselheiros, em Reunião Plenária Ordinária realizada uma vez por quinzena.

Prazo para análise vai de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias, após a entrega da documentação.

Após a análise dos documentos pelo Plenário, o Conrerp 5ª entrará em contato com o profissional através de e-mail.


ENTREGA DA CARTEIRA

A carteira profissional será entregue pessoalmente a cada Registrado ou através de remessa postal para regiões fora da sede do Conrerp 5ª, cumprindo-se as exigências legais.

Caso se faça necessário, uma Certidão comprovando o Registro, pode ser emitida, sob pagamento, de taxa de R$ 10,00.

IMPORTANTE! O exercício profissional SEM O REGISTRO caracteriza EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO, sendo passível de responsabilidade tanto do profissional quanto da empresa.

Utilize nosso site: www.conrerp5.org.br para qualquer consulta, sugestão e reclamação.


BAIXA TEMPORÁRIA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA:

  • Requerimento solicitando Baixa Temporária à Presidente do CONRERP 5ª Região;
  • Cópia autenticada em cartório da Carteira de Trabalho e das seguintes páginas: foto, dados pessoais, todos os contratos assinados e a próxima folha de contrato em branco após o último assinado;
  • Se estiver trabalhando, declaração do departamento de pessoal, onde conste o Cargo e as funções que exerce;
  • Devolver a Carteira de Registro Profissional do CONRERP 5ª (caso tenha sido roubada ou extraviada, enviar cópia autenticada em cartório da ocorrência policial onde consta o acontecido).

A documentação deve ser entregue pessoalmente ou enviada por correio para o endereço do CONRERP 5ª. Não precisa marcar horário.

Conrerp 5ª Região – Rua Joaquim Nabuco, 409 – sala 21 – Derby – Recife/PE – CEP 52011-000


ANÁLISE DOS DOCUMENTOS:

Se a documentação estiver completa, o processo será submetido à análise do Relator, dos Conselheiros, em Reunião Plenária Ordinária realizada uma vez por quinzena.

Prazo para  análise: de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias, após a entrega/recebimento da documentação.

Após análise dos documentos pelo Plenário, o CONRERP 5ª entrará em contato com o profissional através de e-mail ou documento oficial enviado pelos Correios.

OBS. Lembramos que a concessão de Baixa Temporária não isenta débitos anteriores ao requerimento. A Baixa Temporária tem que ser renovada após um ano da sua concessão.

Esclarecemos que, caso retorne ao exercício das atividades de Relações Públicas, deverá solicitar suspensão da Baixa Temporária, para não incorrer em exercício ilegal da profissão.

IMPORTANTE! O exercício profissional SEM O REGISTRO caracteriza EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO, sendo passível de responsabilidade tanto o profissional quanto a empresa.

 

 


ISENÇÃO DE PAGAMENTO DE ANUIDADE POR APOSENTADORIA

Documentação para solicitação:

  • Requerimento solicitando a aposentadoria;
  • Carteira de Identidade Profissional original (caso tenha sido roubada ou extraviada, enviar cópia autenticada em cartório da ocorrência policial onde consta o acontecido);
  • Cópia do comprovante de aposentadoria emitido pelo INSS.

ANÁLISE DOS DOCUMENTOS:

Se a documentação estiver completa, o processo será submetido à análise do relator, dos Conselheiros, em Reunião Plenária Ordinária realizada uma vez por quinzena.

Prazo para  análise: de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias após a entrega/recebimento da documentação.

Após análise dos documentos pelo Plenário, o CONRERP 5ª entrará em contato com o profissional através de e-mail ou documento oficial enviado por Correio.

Lembramos que a concessão de Isenção de pagamento de anuidade por Aposentadoria não isenta débitos anteriores ao requerimento.


TRANSFERÊNCIA DE REGISTRO PROVISÓRIO PARA DEFINITIVO

Documentos exigidos:

  • Requerimento (com devolução da Carteira Profissional de Identidade e sem a devolução) – preencher, assinar e nos enviar apenas o que se encaixa na sua situação
  • Cópia autenticada do Diploma do Curso Superior em Relações Públicas (frente e verso)
  • 2 (duas) fotos 3×4 atuais
  • Carteira de Identidade de Registro Profissional do CONRERP (caso tenha sido roubada ou extraviada, enviar cópia autenticada em cartório da ocorrência policial onde consta o acontecido)
  • Cópia do comprovante de pagamento da taxa de Carteira
  • * Taxa de Carteira (2015): R$ 75,00

OBS.: Para obter o número da conta, é necessário entrar em contato com o Conrerp 5ª pelo e-mail conrerp5@conrerp5.org.br. ou pelo fone: 81 3221.0331, no horário das 13:00 às 18:00 horas.

A documentação pode ser entregue diretamente na Sede do Conrerp 5ª ou via Correios.

ANÁLISE DOS DOCUMENTOS:

Se a documentação estiver completa, o processo será submetido à análise do Relator, dos Conselheiros, em Reunião Plenária Ordinária realizada uma vez por quinzena.

Prazo para  análise: de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias após a entrega/recebimento da documentação.

Após análise dos documentos pelo Plenário, o CONRERP 5ª entrará em contato com o profissional através de e-mail ou documento oficial enviado pelos Correios.

 


 

TRANSFERÊNCIA DE REGISTRO PARA OUTRO REGIONAL

Conforme Portaria 122/2012 do Conferp, o Profissional de Relações Públicas será registrado no Conrerp que jurisdiciona a área territorial de seu efetivo exercício profissional.

A documentação abaixo deve ser enviada para o Conrerp da Região onde está seu registro.

 

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA:

  • Requerimento solicitando Transferência de Registro;
  • Cópia AUTENTICADA da Carteira de Identidade e do CPF;
  • Cópia simples do comprovante de residência.

Aprovado em Plenária, o Conrerp de origem enviará documentação do Registrado ao Conrerp para o qual pediu transferência. Após aprovado em Plenária da Regional para o qual está sendo transferido, o Conrerp entrará em contato com o Registrado, para solicitar a devolução da carteira Profissional, pagamento da Taxa de Carteira e o envio de foto para nova Carteira.

Conforme a Portaria 122/12 do Conferp:

“ Art. 6º – A inadimplência do Profissional junto a seu Conrerp de origem ou ao que expedirá a GT (Guia de Transferência) não impede que a transferência seja efetivada.

§1º – O Profissional inadimplente junto ao Conrerp expedidor da GT será registrado na sua nova região, que passará a ser responsável pela cobrança dos valores devidos.”

ANÁLISE DOS DOCUMENTOS:

Se a documentação estiver completa, o processo será submetido à análise do Relator, dos Conselheiros, em Reunião Plenária Ordinária realizada uma vez por quinzena.

Prazo para  análise: de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias após a entrega/recebimento da documentação.

Após análise dos documentos pelo Plenário, o CONRERP entrará em contato com o profissional através de e-mail ou documento oficial enviado por correio.

 


DOCUMENTOS PARA DOWNLOAD

 

 

Publicado por conrerp5 em 26- August - 2015 Destaques Textos e Artigos

Shirley Cavalcante é Coordenadora do MBA em Comunicação Empresarial e Relações Humanas da Faculdade Maurício de Nassau e Diretota  da SMC Comunicação Humana.

 

 

RESUMO

Administradores no decorrer do tempo vêm utilizando diferentes ferramentas de comunicação sem atribuir, na maioria das vezes, a devida importância que as mesmas têm para o sucesso de uma organização, inviabilizando assim, muitas vezes o bom resultado de algumas atividades pertinentes ao processo administrativo, quer seja ele para com o público interno ou externo.

Mudanças vêm sendo observadas e implantadas em alguns segmentos a partir de estudos realizados por diferentes profissionais, observamos, no entanto, que esta mudança esta sendo feita de forma lenta visto as dificuldades que os gestores têm de observar a importância dos estudos voltados para a gestão da comunicação organizacional em seus processos gerenciais. Este artigo apresenta a importância do conhecimento comunicacional que os gestores devem ter dentro do campo organizacional. O estudo se baseia no conceito de diferentes autores que serão apresentados no decorrer do artigo. O estudo tenta reforçar nos leitores a importância do conhecimento da comunicação para o sucesso ou o não sucesso de uma determinada organização.

Este artigo apresenta a importância do conhecimento comunicacional que os gestores devem ter dentro do campo organizacional. O estudo se baseia no conceito de diferentes autores que serão apresentados no decorrer do artigo. O estudo tenta reforçar nos leitores a importância do conhecimento da comunicação para o sucesso ou o não sucesso de uma determinada organização.

 

Clique aqui e baixe o arquivo em pdf do artigo completo

 

Boa Leitura!

Publicado por conrerp5 em 6- December - 2011 Textos e Artigos

As Mídias e Redes Sociais: Qual a diferença e influência?

Nos últimos cinco anos o avanço da comunicação entre as pessoas, ocorreu de forma assustadora, rápida e impactante, por meio de inúmeros instrumentos tecnológicos que possibilitaram este crescimento. Novas mídias e sites de relacionamentos foram criados com esta finalidade, de promover uma comunicação mais abrangente (geográfica e numericamente), de maior acessibilidade e troca. As novas mídias foram transformadas em mídias sociais e os sites de relacionamentos foram denominados redes sociais.

Segundo Telles (2010) as redes sociais são ambientes com foco em reunir pessoas e há interação entre seus membros, enquanto que as mídias sociais, por mais que permita uma interação social, seu foco é na criação colaborativa de conteúdo e compartilhamento de informações nos diversos formatos (textos, vídeos, fotos, etc), independentemente de gerar relacionamento. As redes sociais estão inseridas nas mídias sociais. Podemos caracterizar como redes sociais o Facebook, Orkut, MySpace, Linkedin, entre outros, e como mídias sociais, o Twitter, Youtube, SlideShare, Flickr, e outras que incluem redes de relacionamento. Ou seja, a Rede Social faz parte da Mídia Social. Telles (2010) ainda apresenta as definições de ambos nos EUA nos períodos de 2005 e 2010. Em 2005 o conceito de Nova Mídia passou a ser em 2010 a Mídia Social.

Os Sites de Relacionamento em 2005 foram transformados em Redes Sociais no ano de 2010. Com a crescente promoção destes meios, acaba-se de vez com a centralização e controle das mensagens, e ainda o controle da própria marca da organização. Qual o caminho a trilhar diante deste cenário? Em princípio, compreender que o pensamento e comunicação humana é que fará com que estes meios tenham vida. E depois aproveitar estas oportunidades para influenciar, estimular o diálogo e fazer a gestão delas. Não tente eliminá-las na sua empresa, até porque elas já estão presentes com muita força, sem caminho de volta, não tem como retroceder a este processo de livre comunicação.

O que precisa ser feito é monitorar para gerar ou manter a imagem da sua organização, e quem sabe até resgatá-la! Cuida da sua imagem nas mídias e redes sociais.

Cibelli Pinheiro
Diretora da Sol Comunicação
Presidente ABRH-PE/CONRERP-5ª Região

Cibelli Pinheiro

Diretora da Sol Comunicação

Presidente ABRH-PE/CONRERP-5ª Região

Publicado por conrerp5 em 13- March - 2011 Textos e Artigos

Evento gera Imagem

O evento é um acontecimento que tem como característica principal propiciar uma ocasião extraordinária ao encontro de pessoas. É um instrumento de comunicação que pode promover a construção de relacionamentos entre pessoas e organizações. Uma oportunidade de geração e manutenção de imagem junto aos seus mais diversos públicos.

Segundo Simões “é um acontecimento criado com a finalidade específica de alterar a história da relação organização-público, em face das necessidades observadas”. Do ponto de vista das organizações os eventos podem ser classificados em institucionais e promocionais (comerciais) e caracterizados de acordo com o porte, participantes e objetivos. Podemos realizar eventos abertos (geral), dirigidos ou específicos, depende de qual seu objetivo, se é científico, cultural, comercial.

São vários os tipos de eventos, desde encontros como conferências, palestras, simpósios, convenções, congressos, seminários, fóruns, jornadas, colóquios, workshops, dentre inúmeros outros. É preciso avaliar qual a tipologia do evento adequada, conforme características de cada evento. O que geralmente ocorre são pessoas ou organizações que realizam eventos sem fazer esta análise.

Outro aspecto importante que deve ser observado é sobre o planejamento do evento, pois como diz Murphy citado por Giacaglia (2006, p. 211), “Se alguma coisa puder dar errado na organização de um evento, ela provavelmente dará”. Por esta razão, é preciso planejar minuciosamente as etapas do pré-evento (preparação), transevento (execução) e pós-evento (avaliação). Ações esta que, quando realizadas por um profissional habilitado (Relações Públicas) ou empresa especializada, contribui e muito com o fortalecimento da imagem institucional.

Portanto, este é um importante meio pelo qual a empresa pode se apresentar e até mesmo dialogar com seus clientes, quer interno ou externo. Oportunidade ímpar de transmitir num único momento os valores da organização, seus projetos atuais e para o futuro, o que pode gerar ou não uma boa imagem no mercado, depende de como você trata o evento.

Cibelli Pinheiro
Presidente da ABRH-PE, Presidente do CONRERP/5 e Diretora da Sol Comunicação

Publicado por conrerp5 em 27- February - 2011 Textos e Artigos

Imagem da Organização

Boa Comunicação gera Boa Imagem!

Cibelli Pinheiro
Presidente do Conselho Regional de
Profissionais de Relações Públicas 5ª Região

IMAGEM – A criação de valor de uma empresa para a sociedade é construída a partir do fortalecimento da sua imagem e reputação perante a opinião pública. A palavra IMAGEM, vem do latim imagine, segundo o Aurélio é “aquilo que evoca uma determinada coisa, por ter ela semelhança ou relação simbólica”.Como diz Neves (1998), Imagem é como percebemos as coisas. Esta percepção, no contexto organizacional, torna-se realidade à medida que a empresa é percebida positiva ou negativamente pelos seus mais diversos públicos com os quais se relaciona.

Especialmente o público interno, que retrata fielmente a imagem da empresa nas suas relações pessoais e profissionais. Projetar uma imagem além do real é muito comum no mundo de negócios e até mesmo na vida real. Imagens irreais, distorcidas, aquém e além, são projetadas e percebidas neste mercado. São as práticas de uma comunicação diferenciada fundamentada no diálogo, na verdade e transparência, que conduz todos esses públicos, ao mesmo tempo, aos valores e a identidade da organização. Portanto, para ter, manter ou resgatar uma imagem positiva é necessário ter CREDIBILIDADE (tanto a empresa, como o profissional), construída através de conceitos reais, exemplos diários e atitudes coerentes. Este é o maior patrimônio que uma organização pode conquistar – sua credibilidade. Para construir leva-se tempo. Para perdê-la, é rápido, basta um pequeno deslize. As organizações (e as pessoas) precisam estar atentas sobre o quê e como se comunicam, devem proteger e fortalecer cada vez mais sua imagem, pois dependendo de como é feita esta comunicação, pode-se construir ou destruir em um só discurso ou numa só prática, todo um trabalho realizado neste mercado. A comunicação (interna/externa), portanto, é meio pelo qual organizações e profissionais podem garantir uma boa imagem, agregando valor e resultados positivos ao relacionamento da empresa com seus clientes, colaboradores, consumidores e sociedade.

Publicado por conrerp5 em 28- November - 2010 Textos e Artigos

 

Caro Profissional, neste espaço você pode informar os dados de contato para que possamos atualizar o seu cadastro.

Isso garantirá o envio de informações do Conselho para você.

 

 

Nome completo (obrigatório)

Seu E-mail Pessoal (obrigatório)

Número do Registro Profissional

Telefone Residencial

Telefone Comercial

Telefone Celular (obrigatório)

 

Endereço Pessoal - logradouro, número, complemento - (obrigatório)

Bairro

Cidade (obrigatório)

CEP (obrigatório)

 

 

captcha

Insira as letras da imagem acima

 

 

Publicado por conrerp5 em 24- August - 2010 Textos e Artigos

João A. Ianhez
CONRERP 2ª Região – 004
Presidente do CONFERP

Aquelas pessoas que não viveram e não praticaram na sua essência a atividade de Relações Públicas nunca poderão entender a afeição que essa profissão abençoada desperta. Esse sentimento faz com que profissionais da área sofram quando a vê sendo deturpada, inadequadamente praticada, mal interpretada.

A atividade de Relações Públicas é abençoada por: Mudar para melhor as organizações, ao criar entendimento e as harmonizar com os seus públicos. Através da sua filosofia e das suas práticas administrativas, fazer as pessoas encararem as demais com maior compreensão e cordialidade. Promover a relação de respeito entre o humano, o social e a natureza, muito antes de se começar a falar em sustentabilidade. Representar a opinião pública junto à organização. Promover a eficácia e a produtividade.

Hoje se fala em substituir Relações Públicas por Comunicação Organizacional. A análise dessa idéia pode começar pelos nomes: Relações Públicas dá a idéia correta do que guia as organizações e assume cada vez maior importância: as relações com o público, a opinião pública. Comunicação Organizacional dá idéia de ações internas, da comunicação voltada para dentro das organizações.

Os defensores da Comunicação Organizacional dizem que esta é mais fácil de entender e que Relações Públicas tem um campo de ação muito amplo e é muito complexa. Não é isso! É falta de conhecimento prático da atividade. Sua amplitude e complexidade não são maiores do que as de muitas outras áreas da administração. Por essa razão muitos profissionais afirmam: “Relações Públicas só se conhece na prática.”

Enganam-se os que colocam nos ombros do profissional de Relações Públicas as responsabilidades que ela envolve e as atividades abrangidas por ela. O líder da organização deve ser o responsável primeiro pela atividade. Ele deve utilizar a sua capacidade de liderança para que toda a administração apóie a atividade. É necessário que todos na organização atuem pela filosofia e práticas de Relações Públicas. O profissional assessora, aconselha e fornece os instrumentos para que Relações Públicas aconteça.

A atividade não envolve somente técnicas de comunicação. Ela é filosofia e prática de administração. Não é só o profissional de Relações Públicas que vai praticá-la. É a organização como um todo. A filosofia que está na cultura da empresa é adaptada aos parâmetros de Relações Públicas e deve permear a organização na plenitude da sua estrutura. Nesse processo, ela transforma e adapta ações administrativas. Em muitas áreas vai exigir novas políticas, mudanças nas formas de se relacionar e de se comunicar.

Tendo o apoio do líder da organização, o profissional e a área de Relações Públicas são os guardiões dessa filosofia e das práticas administrativas resultantes da mesma.

Portanto, Relações Públicas são: a) Filosofia de administração. b) Função administrativa. c) Técnicas de comunicação e relacionamento. d) Técnicas para olhar a organização com os olhos do público.

No passado, se tentou fazer da atividade de Relações Públicas um instrumento para valorizar regime não democrático, tornarem corretas imagens incorretas. Não vingou. Surgiu nos órgãos governamentais e empresas estatais o termo Comunicação Social, importado do Vaticano. Os profissionais de Relações Públicas foram substituídos por especialistas em comunicação de mão única. Executavam a comunicação de cima para baixo, ditatorial: “Mando! Obedeça!”. Essa denominação se impôs rapidamente. Foi a saída para aqueles que não podiam utilizar o titulo de Relações Públicas. Até hoje se encontra essa forma da comunicação em algumas organizações públicas e privadas.

Então, o que aconteceu com as Relações Públicas no Brasil?

Primeiro: Fizeram dela o que ela não é. Retalharam-na por falta de conhecimento e para burlar a regulamentação. Segundo: Colocaram-na como especialidade de Comunicação Social e foram aos poucos minando sua visão multidisciplinar. Terceiro: Pessoas despreparadas e amadoras, que não tinham condições de exercê-la, se aventuraram na sua prática, criando confusão e interpretações errôneas. Quarto: Falta de visão do mercado sobre ela e sobre o trato com a opinião pública. Quinto: Interesses pessoais colocados acima dos, da profissão. Sexto: A falta de união da classe.

Hoje está ocorrendo o que ocorreu na época da regulamentação. Profissionais que não podiam utilizar o título diziam: “Não é Relações Públicas, mas é a mesma coisa”. Agora estão querendo que digam: “Não é Relações Públicas, mas é a mesma coisa, é Comunicação Organizacional.”

Vamos lutar por essa abençoada profissão, ou vamos deixar que tripudiem sobre ela ainda mais?

Publicado por conrerp5 em 26- March - 2010 Textos e Artigos